Skip to content Skip to left sidebar Skip to right sidebar Skip to footer

Grande Rota do Zêzere

Grande Rota do ZêzereAo longo de 370 Km, a GRZ- Grande Rota do Zêzere, acompanha o Rio Zêzere desde a nascente, na Serra da Estrela, até à foz, em Constância, onde encontra o Rio Tejo, passando pela freguesia de Nossa Senhora do Pranto.

Projetado para ser multidisciplinar, o percurso pode ser feito a pé, de bicicleta ou de canoa, de forma contínua e encadeada, por troços ou mesmo em circuitos multimodais.

Assente numa ideia nascida no seio da Associação Amigos da Serra da Estrela, a GRZ torna-se realidade através do trabalho conjunto de um consórcio liderado pela ADXTUR- Agência para o Desenvolvimento Turístico das Aldeias do Xisto, em parceria com todos os Municípios por onde o rio passa.

Três das etapas do percurso passam pela freguesia de Nossa Senhora do Pranto:

  • Área de Descanso de Valbom – Dornes;
  • Dornes – Área de Descanso do Vale Serrão;
  • Área de Descanso do Vale Serrão – Área de Descanso da Foz da Sertã.

Área de Descanso de Valbom – Dornes

Com a construção da barragem de Castelo de Bode e a subida das águas da albufeira, transformou-se a paisagem e muito do património desta aldeia desapareceu.

Se, por um lado, foi uma mais-valia na produção hidroelectrica nacional e nas reservas de abastecimento de água, por outro transformou por completo a paisagem, a fauna e flora e os modos de vida das pessoas que viviam nestas margens.

Em pouco tempo, passou-se de um rio relativamente estreito, com alguns vales largos onde se praticava a agricultura, com determinadas técnicas e saberes, para um enorme espelho de água onde as vertentes íngremes das serranias vão terminar e onde se teve de reaprender a cultivar

Os terrenos antigamente chamados de várzeas ou nateiros, terrenos agrícolas quase planos, inundáveis durante o inverno, ganhando assim a lama que os tornava férteis, desapareceram passando a agricultura a ser feita em socalcos, devido ao acentuado declive das novas margens.

Área de Descanso de Valbom - Dornes

A própria pesca mudou em virtude da alteração do ecossistema do rio. Onde outrora havia eirozes, trutas, bogas, barbos e bordalos, sáveis e lampreias, há agora carpas, percas e achigãs. Perduram os tradicionais barcos do rio Zêzere, os chamados barcos de três tábuas, ainda usados na pesca e no transporte entre margens.

Descrição do Percurso

Após subir pelo lugar de Valbom, o percurso volta a encontrar a estrada municipal marginal ao Zêzere, aqui Albufeira de Castelo de Bode. A GRZ segue em asfalto pela esquerda em direcção ao lugar de Casalinho de Santana e até à Ribeira de Brás.

Neste local e entrando em caminho de terra à esquerda, inicia-se a subida da Serra de São Paulo lugar de lendas mouriscas e algumas sepulturas visigóticas. Após a descida, o percurso voltará a percorrer uma estrada asfaltada marginal ao rio até chegar à localidade de Dornes.

Para a realização do percurso Área de Descanso de Valbom – Dornes aconselhamos que leve consigo o mapa impresso dos percursos e/ou GPS com o track para utilização de gps. Esta informação pode ser encontrada nesta página.

Dornes – Área de Descanso do Vale Serrão

Por aqui andaram romanos, que extraíam ouro das águas do rio e construíram as primeiras edificações. Foi sobre a base destas ruínas milenares que Gualdim Pais fez erguer a singular torre templária de cinco faces, para defesa das terras em tempo de reconquista.

À sombra protetora da atalaia medieval logo nasceu, no séc. XIII, a igreja matriz, a mando da própria Rainha Santa Isabel segundo reza a lenda, tendo recebido instruções Guilherme de Pavia para aí colocar a pietá sagrada de Nª Sra. do Pranto.

A ela estão associadas as mais diversas lendas e o seu culto fez de Dornes um importante centro de peregrinação religiosa desde a idade média. Ainda hoje aqui acorrem peregrinações de toda a região, os Círios, entre a Páscoa e o terceiro Domingo de Setembro, tendo como pontos altos o domingo de Espírito Santo e a data de 15 de Agosto.

Grande Rota do Zêzere

Em 1321 era esta antiga Vila uma das Comendas da Ordem de Cristo e, em 1353, já tinha tabelião. No ano de 1513 atinge Dornes o seu auge com a atribuição de foral manuelino.

Descrição do Percurso

Após cruzar Dornes o percurso irá decorrer durante 3 km em estrada asfaltada que progressivamente se vai afastando das águas da Albufeira de Castelo de Bode. Nas proximidades de Vale Serrão irá encontrar a EN 238.

Após a sua travessia e percorrer 100 metros na sua berma abandona esta via por um caminho de terra situado à direita. Percorridos cerca de 600 metros encontra-se a Área de Descanso de Vale Serrão.

Para a realização do percurso Dornes – Área de Descanso de Vale Serrão aconselhamos que leve consigo o mapa impresso dos percursos e/ou GPS com o track para utilização de gps. Esta informação pode ser encontrada nesta página.

Área de Descanso do Vale Serrão – Área de Descanso da Foz da Sertã

Este local ganha extrema importância no final do século XIX por ter recebido, em 1895, uma ponte, inaugurada por Fontes Pereira de Melo, tornando-se assim na única ligação rodoviária a unir os concelhos de Ferreira do Zêzere e da Sertã. Beneficia desta ligação toda a grande região da Beira Baixa e do Ribatejo.

Nessa altura, a ponte “nova”, com características metálicas, torna-se também motivo de atração turística e sítio de eleição para piqueniques, pescarias e passeios fluviais no já típico barco «Abrangel» por parte das famílias mais abastadas. Também visitam o local diversas personalidades, como Alfredo Keil, autor da marcha patriótica “A Portuguesa”.

Com o enchimento da albufeira da barragem de Castelo de Bode, em 1951, a ponte fica submersa a uma profundidade de cerca de 15 metros, tendo sido construída, para a substituir, a atual Ponte de Vale da Ursa.

Área de Descanso do Vale Serrão – Área de Descanso da Foz da SertãImporta referir que, durante a Idade Média, não existindo qualquer travessia pedestre nesta zona do Zêzere, a única passagem do concelho da Sertã para o de Ferreira do Zêzere era efectuada através de uma barca, em Dornes, e mais tarde, já no século XIX, por outra barca no Vale da Ursa.

Descrição do Percurso

Decorridos cerca de mil metros o percurso irá encontrar a EN 238 e atravessar a Ponte do Vale da Ursa. Percorrendo a berma desta movimentada via durante cerca de 2 km, entra novamente em caminhos florestais e após mais 2 km volta às proximidades do rio/albufeira e ao encontro de magníficos espelhos de água e da localidade da Foz da Sertã em cujo antigo Hotel outrora existiu uma exploração de águas mineromedicinais. Após pronunciada subida atingiremos um magnífico miradouro.

Para a realização do percurso Área de Descanso de Vale Serrão – Área de Descanso da Foz da Sertã aconselhamos que leve consigo o mapa impresso dos percursos e/ou GPS com o track para utilização de gps. Esta informação pode ser encontrada nesta página.